21 agosto 2014

BOOKS | Fahrenheit 451

Sabem o que é que já não temos há muito tempo aqui no canal? Reviews sobre livros... acho que notaram :p

Por isso, hoje venho falar-vos sobre um dos livros que li este mês, em conjunto com outras pessoas: o Fahrenheit 451

Este é considerado um romance distópico, escrito por Ray Bradbury (1920-2012) e publicado pela primeira vez em 1953. 

A ~ [história] ~ transporta-nos para um futuro em que os livros são completamente proibidos, assim como qualquer tipo de conhecimento ou manifestação de opinião. Neste mundo os bombeiros já não chamados para apagar os fogos, são chamados para atear os fogos às casas que possuem livros escondidos. A nossa personagem principal, Montag, é um dos homens que trabalha para ajudar à extinção dos livros, símbolo de conhecimento e do pensamento crítico. Já o seu avô e o seu pai exerciam a mesma profissão. 

Montag vive com a sua esposa Milred que, diga-se de passagem, foi uma personagem que me irritou bastante. É o tipo de personagens que segue o rebanho e que me parece profundamente triste por fazê-lo. Não tem ideias próprias e basicamente discute com o marido porque pretende uma outra parede (que são as televisões todas futuristas e interactivas que eles têm nessa época). Parece-me completamente fútil por só se preocupar com a "família", que basicamente são as restantes pessoas como ela, que passam o dia no meio daquelas "paredes" a interagir pela televisão. Arrrgg que irritação de personagem.


Uma das personagens que mais gostei foi Clarisse. Uma rapariga que aparece um dia na vida de Montag e que é, digamos, o oposto de Milred (lol, por isso é que gostei!). É uma rapariga que questiona as coisas e os acontecimentos e que tem o poder de intrigar Montag. É uma pessoa alegre e que não segue o rebanho mas que, como tantos outros, por não seguir a maioria, acaba por sofrer as consequências. 

Tal como Clarisse há uma outra personagem que me fez sorrir. Uma senhora que se recusa a deixar a sua casa e os seus livros, quando os bombeiros lá aparecem, depois de uma denúncia anónima. Esta personagem prefere acender o fósforo que vai queimar o seu mundo e morrer com ele. Esta atitude, vai também marcar a nossa personagem principal que, ao deixar aquela casa, vai mais rico: rouba um livro.


Faber é outra personagem que vai ajudar Montag quando este começa a questionar o mundo à sua volta. Professor aposentado de literatura parece, muitas das vezes, a voz da razão para Montag, que se sente completamente destruído por aquele mundo.

Bem, o certo é que, Montag escondia outros livros em sua casa e acaba por ser descoberto, iniciando o seu processo de fuga. Vai acabar junto a outras pessoas que, tal como ele, não se deixaram sucumbir à extinção dos livros. E esta foi a parte que mais gostei: a prova de que o conhecimento está em nós. A sociedade a que ele se vai juntar, é composta por homens que transportam em si um livro, ou seja, cada um deles fez uma leitura e memorizou o livro, garantindo que as palavras e a mensagem deste ou daquele escritor, nunca se perderia. São, nas suas palavras "vagabundos por fora, bibliotecas vivas por dentro", ironizando depois: "Não julgue o livro pela capa". Curioso :)

- Montag, gostaria de ler a República de Platão, um dia?
- Com certeza.
- Eu sou a República de Platão. Gostaria de ler Marco Aurélio? O Sr. Simmons é Marco Aurélio.

(...) Somos todos constituídos por pedaços, extractos de história, de literatura, de direito internacional (...).

A diferença entre o homem que apara a relva e o verdadeiro jardineiro reside na maneira de tocar as coisas. (...) O homem que corta a relva desaparece; o jardineiro ficará presente para toda a vida.


Concluindo, a ~ [ideia] ~ para a história está bem pensada. Gosto da crítica social, da crítica à censura e à proliferação de um pensamento crítico e instruído. O conhecimento é poder e, no final de contas, pode ser uma arma bastante poderosa. 

No entanto, para mim, é um romance que se resume a isso. A distopia não é explorada da melhor forma e nós sentimos que a história se desenrola num mundo de noções pouco profundas, muito superficial. As regras não são explicadas e tudo é reduzido a meia dúzia de noções que estão directamente relacionadas com o protagonista. Não há nada para além disso, o que me fez ficar um pouco desiludida com a trama.Para mim, acabou por perder nisso mesmo. Há tantas outras histórias que nos falam sobre o poder do conhecimento e dos livros que estão melhor desenvolvidas do que esta. Mas isto, claro, é a minha opinião.

Em muitas partes do livro não me senti ligada à história, não me senti envolvida e motivada. Acabei por conseguir terminar a leitura porque realmente queria saber que tipo de final é que aquilo teria. 


A ~ [escrita] ~ do autor é cheia de metáforas e imagens, algumas delas bastante criativas. Gostei. Mas também achei que há ali algo de cansativo, que às vezes parece fazer com que a leitura não avance...

Se recomendo? Hum, nem sei que dizer. Se calhar só para algumas pessoas. Há livros com a mesma ideia, mas que eu acho que valem muito mais a pena de serem lidos. Se pudesse voltar a ter possibilidade de escolha para o ler, escolhia ler outras coisas em vez deste livro. 

Acabei por lhe dar 2,5 estrelas (arredonda para as 3... ).



Título Original: Fahrenheit 451
Autor: Ray Bradbury
Onde comprei:
Li em ebook
Goodreads: aqui







Já leram? Têm a mesma opinião ou difere?


13 comentários:

  1. Nunca li, já tinha ouvido falar, mas não sabia do que se tratava. Gostei muito de ler a tua opinião. :)
    Beijinhos!
    *Mistery

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já é um clássico, mas com tantos livros no mundo é impossível conhecermos tudo! Há muita gente que gosta... eu não adorei muito :( **

      Eliminar
  2. Oi, passei-te uma TAG http://diariosdeumadesconhecidacomilona.blogspot.pt/2014/08/tag-queimar-reler-reescrever.html
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já fui espreitar :) e já está aqui no caderninho para responder.. a ver se agora começo a dar conta do recado nas Tags lol **

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Não gostas? Lol eu adoro.. até que ando viciada nisso hehehe

      Eliminar
  4. Não conheço a autora :)
    *já sigo o blog
    bjs
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um autor.. é bem conhecido, por sinal :) hehehe tb já fui espreitar o teu cantinho ;)

      Eliminar
  5. Hey, honey! What do you think about follow each other via bloglovin? If you want, just follow me there and I'll follow you back! http://www.bloglovin.com/blog/3947784

    ResponderEliminar
  6. Eu tenho uma opinião muito semelhante à tua Mary :D
    A Mildred é mesmo insuportável. Aliás, nenhuma das personagens femininas me cativou.

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem verdade.. :( pena.. já que há tanta gente que gosta deste livro e eu fiquei um pouco triste por não ter gostado :( **

      Eliminar
  7. Aie, estão todos a fazer-me duvidar da minha cotação de 4 estrelas! x)
    Eu achei a ideia tão interessante e o mundo também...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu achei a ideia bastante porreira.. a parte do mundo criado é muito vaga, não é bem fundamentada, na minha opinião :( e as personagens são muito superficiais.. acho que o autor não explorou bem a coisa.. não sei.. depois de ler fiquei no vazio.. parece que não me consegui relacionar com nada :( mas olha que há imensa gente que gosta!

      Eliminar