08 outubro 2016

REVIEW | Four Warned, de Jeffrey Archer


Título Original: Four Warned
Autor: Jeffrey Archer
Editora: Pan Books
Data: 2014
Páginas: 112
ISBN9781447252481
Temas: Mistério e crimes
Classificação Pessoal: 
Goodreadsaqui

Andava eu a pesquisar pechinchas no amazon (eu sei, é sempre perigoso fazer isso! acabamos sempre com um carrinho cheio de livros) quando descobri esta colecção designada ~ Quick Reads ~ que, tal como o nome indica, não são mais do que pequenas histórias, assinadas por escritores mais conhecidos, de forma a promover a leitura. Já vos tinha falado destes livrinhos aqui neste post do facebook.

Bom, Jeffrey Archer é um nome sonante no mundo literário e, verdade seja dita, o livro custava 1,30€. Por que não?!


Este livro é composto por 4 contos, todos bastante pequenos, com excepção do último, que conta com algumas páginas mais. Prometem mistério e algum suspense mas...  

| NEVER STOP ON THE MOTORWAY | 21 págs.

Neste conto conhecemos Diana, uma mulher divorciada com dois filhos, directora de uma pequena empresa. 

Naquela sexta feira, Diana vai aproveitar o facto de o ex-marido ir buscar as crianças à escola, sendo este o seu fim-de-semana de convívio com as mesmas, para ir visitar um casal amigo da província e passar os dias que se seguem na sua quinta.

Sai da empresa um pouco mais tarde do que seria suposto, entra no carro e inicia a viagem a pensar na vida. Quando entra na autoestrada, apercebe-se de um carro que a começa a seguir. Tenta vislumbrar o condutor mas as luzes não lhe permitem confirmar de quem se trata.

É então que se recorda de um assassinato, naquela mesma estrada, há cerca de um mês. Na altura, teria sido altamente comentado e a população alertada para contactar a polícia no caso de terem qualquer informação. 

"A woman had been raped  before having 
her throat cut with a knife with 
a serrated edge and dumped in a ditch"
(p.12)

O problema é que Diana, não podendo parar o carro, com medo que o perseguidor a apanhe, repara que o depósito de combustível está agora com a luz vermelha da reserva...

Acho que este acabou por ser o meu conto preferido, apesar de o ter achado demasiado curto. Achei que desenvolvia muito a parte da perseguição automóvel, talvez com o intuito de criar mais tensão na história, mas penso que esta parte poderia ter sido abreviada. O desfecho foi inesperado, pelo que acabou por compensar.



| THE QUEEN'S BIRTHDAY TELEGRAM | 9 págs.

Este conto inicia com um telegrama da rainha para o senhor Albert Webber, aquando do seu centésimo aniversário. 

A comemoração dá-se com grande aparato, pessoas importantes, fotógrafos e um Rolls-Royce para o levar a ele e à esposa, no final, à sua residência. E a felicidade do senhor Albert porque nunca tinha andado num carro daqueles!!

Albert diz à esposa que mal pode esperar pelo seu centésimo aniversário, daí a três anos, para voltarem a ter uma festa daquelas, mas Betty não pretende uma data com tamanha celebração.

Os três anos passaram e é chegado o dia tão importante. Inúmeros telegramas e postais de felicitações chegam, de todas as partes e de todas as pessoas importantes, menos da rainha. Albert espera que tenha ocorrido algum atraso nos correios mas, os dias passam e não há sinal da missiva.

Até que ele faz um telefonema e descobre o que realmente aconteceu...

Pouco tenho a dizer sobre esta história... achei completamente "sem sal", sem nada a destacar. O final desiludiu-me bastante e foram mais 5 minutos perdidos do meu tempo.


| STUCK ON YOU | 22 págs.

Este conto traz-nos a história de Jeremy, um bancário, que conhece uma mulher surpreendente e vistosa, Arabella, numa corrida de cavalos. Ela passa por ele e dá-lhe uma sugestão de aposta que se revela vencedora. Dias depois, ambos se encontram a jantar, num dos restaurantes mais ricos da cidade, bem ao jeito dela, para se conhecerem melhor.

Já num relacionamento mais sério, tempos depois, ele continua sem perceber como é que uma mulher daquelas, "beautiful and intoxicating" (p. 38) olhou sequer para ele. E eis que, quando ficam noivos, ele promete comprar-lhe um anel.

"Why bother to buy one, when you 
can steal the best there is? she said." 
(p. 38)

"That was the moment he should 
have walked away, but he realised 
that he couldn't if it meant losing her" 
(p. 38).

E é aqui que nós vamos ficar a par do plano de roubo e se ele vai ou não correr bem...

Nesta narrativa destaco a caracterização da mulher e o efeito que ela causa no namorado/noivo e o comportamento dele face ao deslumbramento que sentia em relação à mesma. Gostei bastante, especialmente pelo esquema montado pela amada para conseguir o que realmente queria.


| DON'T DRINK THE WATER | 41 págs.

Neste último conto, que é também o mais longo, temos a história de Dick, homem de negócios que é obrigado a viajar para S. Petesburgo. Quando regressa a casa, umas horas mais cedo do que o suposto, já que conseguiu um voo de última hora, a sua esposa ainda não se encontra em casa e, numa tentativa de escrever um recado dado por telefone numa folha de papel, ele descobre que a mulher tem vido a realizar algumas reuniões com um conhecido advogado experiente em casos de divórcio.

Novamente em trabalho, viaja à mesma cidade mas desta vez acompanhado. A esposa sugeriu fazer a viagem com ele e aproveitar o fim de semana para fazer uma visita turística à cidade. Mas ele tem um plano muito simples, aproveitando uma das características daquela cidade...

Este último conto foi comme ci, comme ça. Não foi mau de todo mas, sofreu o mesmo problema que o primeiro: muita informação sobre o facto de a esposa se estar a sentir mal e porquê - aspecto que podia muito bem ter sido abreviado. E o final, bem, nada de muito surpreendente...


A destacar, a escrita do senhor Archer. Simples e sem grandes floreados, gostei bastante.

Na minha opinião, e já que o livro é tão pequeno (112 págs.), julgo que teria resultado melhor se, em vez de quatro contos, o autor tivesse optado por apenas um e aproveitasse para desenvolver mais a narrativa. 

Aconselho para quem quiser começar a ler em inglês mas ainda não domina muito o vocabulário e a língua. Lê-se super rápido, é baratinho, ficam a conhecer um pouco da escrita do autor e o facto de ser em shortstories incentiva o leitor a não desistir. Não esperem é nada de ultra mega surpreendente!

2 comentários:

  1. Olá :)
    Quero muito ler algo do autor, mas acho que não vou começar pelos contos, mas antes por um dos seus outros livros, até porque de uma maneira geral fico sempre a achar que os contos "sabem" a pouco.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois.. eu tb acho sempre que gostava de mais, sempre que leio um conto.. mas acho que temos que olhar para essa leitura como um conto e não como um texto de maior dimensão.. de qualquer forma, estes contos - na minha opinião - não são assim nada de espetacular.. de certeza que o senhor tem obras bem melhores!
      beijocas sara**

      Eliminar